O fim dos antibióticos. As bactérias venceram.

 

 

O que seu filho, você e seu pediatra podem ter a ver com isso? As consequências de existirem bactérias resistentes à antibióticos podem ser muito mais sérias do que você imagina. Mas ainda existe solução, só não podemos continuar fazendo as mesmas coisas e esperar resultados diferentes.

Com o surgimento de pacientes com bactérias resistentes à todos os antibióticos conhecidos, nos Estados Unidos, as manchetes anunciaram exatamente o que escrevi no título e as previsões apocalípticas deixaram público e profissionais de saúde de cabelo em pé. Como se previa há alguns anos, estamos entrando na temida era pós-antibióticos.

Explico melhor: desde a descoberta da penicilina por Alexander Fleming, em 1928 e suas milhões de vidas salvas, encaramos os antibióticos como drogas milagrosas.

Mas o excesso de algo bom, não é necessariamente melhor.

Não contávamos com a astúcia das bactérias. Pensávamos que nunca chegaria o dia onde existiria uma bactéria resistente a todos os antibióticos.

Bactérias resistentes à antibióticos – onde?!

Pois é, esse dia chegou. Foi ano passado, na China, quando um grupo de cientistas encontrou em um paciente que comeu carne de porco contaminada uma bactéria chamada E. coli – bastante comum em infecções intestinais por alimentos e água contaminados – que resistiu a todos os antibióticos e portava o temido gene MCR-1.

A última alternativa pensada para essas bactérias era o antibiótico colistina ou polimixina E, descoberto nos idos de 1949, que havia ficado esquecido na medicina, mas era e é usado largamente na produção animal (inclusive no Brasil). Era o último recurso para algumas infecções como a temida KPC.

Pois é, depois de muito uso indiscriminado, as bactérias aparentemente desenvolveram mecanismos sofisticadíssimos de resistência, pela mudança e transferência de DNA entre elas e a tragédia aconteceu.

E por que chamo de tragédia?

Simples, caso um paciente adquira esse tipo de Super E coli, o que poderemos fazer é dar tratamento de suporte e rezar para que ele se recupere. Não há alternativa, acabamos com nossas balas de prata matando ratinhos e o lobisomem chegou.

Até quando a bactéria estava restrita à China, você pode pensar: “Tudo bem, eles que se virem”.

Só que tal qual os vírus (lembra da Zika?),  com a globalização não há praticamente nenhuma doença ou problema relacionado às infecções, com potencial de transmissão, que se restrinja a um país.

E a E. coli MCR-1 começou a se espalhar até chegar nos EUA semana passada. E mesmo os países europeus, que proíbem o uso de antibióticos como a colistina na produção animal, já tem a bactéria por lá. Nesse caso, trazida mais recentemente na Suíça, em inocentes legumes congelados importados da Tailândia.

O grande problema é que usamos e abusamos dos antibióticos e o ritmo de descoberta destes pela ciência farmacêutica foi declinando tanto, que desde os anos 70 não se tem uma nova classe ou grupo de antibióticos. E as bactérias mudando e se adaptando aos nossos ataques.

Precisamos mudar e agora!

E além dos cuidados com o uso indiscriminado de antibióticos na produção animal (tema que já discuti aqui), temos que agir urgentemente no uso médico indiscriminado de antibióticos (maiores responsáveis) e as crianças são as maiores vítimas disso, com consequências graves a curto e longo prazo.

Quando falei para fugirem dos médicos que ao menor sinal de garganta vermelha prescrevem antibióticos, é exatamente no sentido de evitar todo esse problema que estamos enfrentando.

O que pode ser feito na prática agora?

O que você pode dialogar com seu médico pediatra?

Seguem abaixo 10 passos para reduzir o uso indiscriminado de antibióticos em crianças, principalmente nas fatídicas e inevitáveis viroses (eita, lá vem médico falando em viroses… tudo é virose!!) que acontecem no seu filho:

    • A grande maioria das infecções agudas febris nas crianças são por vírus e estes não respondem à antibióticos.
    • Em crianças de 6 meses a 2 anos que frequentam creches/escolinhas, podem ocorrer de 6 a 12 infecções virais por ano, que causam catarro, tosse, diarreia e dores de garganta.
    • As otites médias agudas são na grande maioria causadas por vírus e em maiores de 6 meses, com bom estado clínico e exame do ouvido bem feito, podemos evitar o uso de antibióticos apenas usando anti-inflamatórios/analgésicos.
    • A quase totalidade das bronquites agudas, com tosse e chiado no peito, são causadas por vírus e não precisam de antibióticos.
    • As faringites/amigdalites agudas em menores de 3 anos de idade quase na sua totalidade são causadas por vírus, em maiores de 3 anos de idade somente entre 5-20% são por bactérias e se a criança só está com irritação na garganta, sem febre, é quase 100% certo que é um vírus!!!!
    • A maioria das sinusites é causada por vírus e seu pediatra só pode começar a pensar em usar antibióticos a partir de 14 dias de tosse (a tal gripe mal curada…).
    • Caso seja indicado um antibiótico, esse deve ser pelo tempo adequado, em dose adequada e com o menor espectro possível (isso é problema do pediatra).
    • Não se deve mais usar a lincomicina (famosa fradermicina) para infecções em crianças.
    • Não se deve indicar sulfametoxazol para infecções respiratórias e urinárias (sem cultura) para crianças, cerca de 60-70% das bactérias são resistentes.
    • Se o seu filho tem que trocar sempre de antibióticos, não responde adequadamente aos tratamentos e se sua farmácia já está do tamanho do alfabeto, é muito importante verificar 2 coisas: imunidade e alergias.

Vai ter gente me xingando, eu sei!

Aí vai ter alguém que vai dizer assim:

“- Mas esse Dr. Flávio é muito arrogante, fica querendo dar lição de moral nos médicos e na gente, uma Amoxicilinazinha pra garganta não faz mal pra ninguém!”

Ah, tá, antes que esqueça, tudo o que escrevi acima está com referências e a listinha acima está baseada em um documento sobre recomendações para o uso judicioso de antibióticos em crianças, do programa Choosing Wisely, com a Academia Americana de Pediatria.

Só há uma maneira de vencermos as bactérias: usando o cérebro e a razão!

Se você gostou, compartilhe com todos seus amigos!


Receba seu ebook grátis

Receba grátis ebook do pediatra dr Flávio Melo com 27 textos sobre os temas mais atuais, como H1N1, Zika, Imunidade e alimentação. São 160 páginas de conhecimento sobre como cuidar bem de seus pequenos. Basta deixar seu e-mail e clicar em "Eu quero"

Dr Flávio Melo - pediatra

Sou médico pediatra há 11 anos, formado em Medicina pela Universidade Federal da Paraíba e Pediatria no Instituto de Medicina Integral Fernando Figueira (IMIP/Recife-PE). Enxergo que o futuro da prevenção na criança, passa por uma atuação nos hábitos familiares e estilo de vida, desde antes do casal engravidar.

39 comentários em “O fim dos antibióticos. As bactérias venceram.

  • 4 de junho de 2016 a 11:26
    Permalink

    *** Eu quero o E-book***

    Dr Flávio adoro os seus textos! Tão bom seria se todas as crianças tivessem pediatras atualizados como o Dr! Infelizmente notamos que há uma cultura dos “antibióticos” em especial nos PS, e infelizmente muitos pais ainda tem o costume de ao menor sinal, febre, tosse.. correr para o PS..
    Que Deus nos abençoe e proteja!

    Responder
  • 4 de junho de 2016 a 14:33
    Permalink

    Eu quero ler todos os seus textos!

    Responder
  • 4 de junho de 2016 a 16:04
    Permalink

    Obrigada doutor pela sua disponibilidade em nos informar tão bem sobre assuntos tão importantes.
    É um privilégio tê-lo como pediatra do meu filho!

    Responder
  • 5 de junho de 2016 a 22:08
    Permalink

    Olá Dr.!
    Muito interessante o texto.
    Minha filha de 5 anos tem uma crise de amigdalite por mês. Não sei mais o que fazer. Agora mesmo faz 15 dias que acabou o antibiótico e já está novamente com a garganta inflamada. Gostaria muito de uma opinião. O que acontece se eu não der antibiótico?? As febres são muito altas….
    Desde já obrigada e parabéns pelo excelente trabalho!

    Responder
  • 6 de junho de 2016 a 10:11
    Permalink

    Parabéns, doutor, pelo trabalho informativo. Sou uma legítima vítima da geração bactrin. Hj, aos 40 anos, enfrento problemas sérios de pelo nefrite pq sou resistente (as bactérias q residem em mim) a maioria dos antibióticos orais….somente venosos ainda controlam minhas infecções. Tenho plena consciência de que, se na minha infância eu tivesse tomado mais chazinho e menos antibiótico, meu atual quadro de saúde seria diferente.

    Responder
    • 6 de junho de 2016 a 12:10
      Permalink

      Obrigado, é uma pena que estejamos vivenciando esse problema, mas creio que uma mudança de consciência geral está começando.

      Responder
  • 7 de junho de 2016 a 07:31
    Permalink

    Adoro ler esses textos, porém, meu problema no final da leitura é sempre o mesmo… o que fazer?????
    Concordo que não devemos usar antibióticos o tempo todo, mas o que fazer para evitar? ! O que dar para as crianças que frequentam escolas melhorarem dessas gripes de resfriados mensais? !
    Detesto dar antibióticos para meu bebê de 1 ano e 4 meses, mas ele frequenta a escola desde os 6 meses e não tenho com quem deixá-lo! E sabemos que levar crianças doentes para a escola só piora!
    Então, como curar essas gripes e resfriados sem remédios? Tudo bem se eles forem para a escola?

    Responder
    • 7 de junho de 2016 a 13:00
      Permalink

      Tatiana, mas no próprio texto tem algumas informações que são importantes para saber quando os antibióticos não devem ser indicados. A prevenção é mais no sentido das complicações mesmo e se você procurar na página, vai encontrar as recomendações de uso geral, como lambedor, lavagem nasal, aumentar cabeceira da cama e principalmente, a influência da comida na imunidade (comida de verdade e H1N1). Leia o ebook, veja os posts por aqui e na fanpage e não deixe de acompanhar os pequenos com o pediatra. Não posso indicar nada específico, mas existem sim alternativas aos antibióticos. Quanto à não ir para a escola doente, sei que é complicado, mas no período febril, não devem ir de forma alguma, se estiverem tossindo, aí é questão de julgar. Mas se as crianças na idade deles não forem à escola por conta de tosse, ninguém vai. De uma certa forma, adquirir esses vírus escolares é ruim no curto prazo e bom no médio prazo, porque eles criam a memória imune e as infecções subsequentes tendem a ser mais brandas e espaçadas. Fique sempre por aqui, fico feliz que goste do que escrevo.

      Responder
      • 7 de junho de 2016 a 13:56
        Permalink

        Agradeço sua atenção! Tenho feito muitas das dicas (levantar a cabeceira, limpeza nasal, inalação com sori). Também dou mel, já que ele adora! Rs
        Comprei também geléia real (meia espátula de manhã). Você conhece? Indica?

        Responder
          • 9 de junho de 2016 a 15:28
            Permalink

            Olá Dr Flávio,
            aqui na minha cidade tem um terapeuta naturopata que sempre recomenda extrato de própolis para crianças e também adultos no combate a gripes e infecções. O que o sr. acha do extrato de própolis? Ele é bom mesmo?

          • 9 de junho de 2016 a 21:52
            Permalink

            Sozinho não faz milagres. Dentro de uma alimentação saudável e um bom estilo de vida, pode acrescentar positivamente.

  • 16 de junho de 2016 a 16:02
    Permalink

    Muito bom o seu texto!
    Concordo em grau, gênero e número!
    Parabéns!

    Responder
  • 1 de julho de 2016 a 01:48
    Permalink

    Olá , Duas coisas eu acrescentaria aí .
    Uma ótima hidratação elimina qualquer vírus . E soro fisiológico resolveu uma suposta gripe de meu neto aos 4 meses .
    Eu já usava em mim o soro fisiológico para tudo já Q moro em SP. Logo , lavo meu nariz e olhos todos os dias com soro para ajudar no ressecamento de ambos principalmente na época mais seca quando o ar está mais poluído.
    Depois disso acabou gripes, dores de cabeça , olhos ressecados . O soro eu compro vidro pequeno e acaba rápido sendo assim não tem perigo de ser um meio de contaminação pelas mucosas .
    Dor de barriga ou gripe sempre dei somente o Pedialite e em 24 hs vcs não acreditam no milagre que faz a hidratação ao corpo!! No dia a dia … Limonada … Agua de côco … Agua mesmo … 1.5 não mais Q isso. Tudo de mais é sobra .
    Sem exageros chegaremos lá .
    Saúde r paz para todos é o Q desejo . Amém !!!

    Responder
  • 4 de julho de 2016 a 03:52
    Permalink

    Ótimo texto! Desde pequena sempre tive infecções de garganta frequentes e quando levada ao medico prescreviam antibióticos. Depois de alta eu descobri que tinha amígdala caseosa e por isso sempre aparentava estar com pus.
    Hoje quando percebo que está inflamada como um dente de alho picado e faço gargarejo com água e no dia seguinte já estou Boa. ..

    Responder
  • 1 de agosto de 2016 a 00:44
    Permalink

    Dr. Flávio, amei seu texto!
    Sou mãe de uma pequena de 2 anos e 2 meses e acredite se quiser, ela só tomou antibióticos duas vezes na vida.
    Uma, com 3 meses, porque contraiu salmonella, aparentemente por uma mamadeira mal esterilizada e outra com 1 ano e 4 meses, com amigdalite e febre de 39,8 graus. Passaram amoxicilina e ela não melhorou nada, retornei ao consultório e relatei esta resistência, então trocaram por outro antibiótico e com 48h, ela já era outra. Mas, depois disso, não dei mais antibióticos.
    Cuido da alimentação e a deixo comer de TUDO, inclusive porcarias, mas, com moderação.
    Desde este fato, ela nunca adoeceu. As vezes, escorre o nariz um pouco, faço nebulização com soro, dou muito líquido e ela fica bem. Nem essas viroses que sempre aparecem, ela contrai. Acho que ela tem uma imunidade muito boa.
    Obrigada pelas dicas!!!

    Responder
  • 2 de outubro de 2016 a 11:40
    Permalink

    Meu filho tem refluxo vesicouretral e usa Bavtrim profilático. Haveria alternativa para prevenir infecções urinárias nesse caso?

    Responder
  • 3 de outubro de 2016 a 00:32
    Permalink

    Muito interessante seu ponto de vista doutor (por assim dizer). Nunca gostei de dar remedios ao meu filho de 5 anos e a única vez que ele tomou antibiótico apresentou alergia à amoxicilina. Talvez coincidentemente, ele quase nunca fica doente ou apresenta apenas pequenos resfriados que não chegam nem a ser medicados. Apenas esperamos o ciclo passar. Acredito desta forma estar criando uma criança saudável e com um organismo resistente que não precisa correr ao PS na primeira febrinha que apresenta. Sem contar que deixo a vaga pra quem realmente precisa e não congestiono ainda mais os pronto atendimentos, sejam eles publicos ou privados.
    Mas ai vem a pergunta: e se um dia ele realmente precisar, devo me alarmar com essas previsões?

    Responder
  • 25 de novembro de 2016 a 10:02
    Permalink

    Prezado Dr., bom dia.
    Por favor, necessito da sua ajuda: desde o último sábado minha filha tem apresentado febre (média de 38 graus). No domingo a noite levei-a ao PS e foi diagnosticada garganta inflamada (com placas de pus). A médica receitou amoxicilina (sete dias, 12/12) e profenid. Na terça houve aumento da febre (39 graus), razão pela qual levei-a ao PS na quarta pela manhã. As placas haviam aumentado e ela não respondia à amoxicilina. Realizou hemograma e pelos leucócitos e bastonetes (acho que é isso), a médica verificou que a infecção é por bactérias. Imediatamente substituiu a amoxicilina por ceftriaxona (uma dose intramuscular por três dias). Hoje será a terceira dose e ela ainda teve febre ontem, no final da tarde, e hoje entre quatro e seis horas da manhã (38,5). Por favor, alguma orientação de como devo proceder? Estou muito preocupada. Não consigo consulta com infectologista… vou levá-la ao PS, mas tenho medo que entupam-na com mais antibióticos, além do medo dessa bactéria ir para rins, sangue e coração… não sei mais o que fazer. Muito grata pela atenção. Abraços,

    Responder
    • 26 de novembro de 2016 a 20:58
      Permalink

      Infelizmente não posso dar esses tipos de recomendações à distância. Mas é importante checar melhor porque esse quadro infeccioso persiste e verificar a imunidade dela. Normalmente tentamos colher uma cultura da orofaringe para definir melhor e muitas vezes o quadro pode ser devido à um vírus, que dá um quadro parecido com amigdalite bacteriana, a mononucleose infecciosa.

      Responder
  • 29 de abril de 2017 a 17:56
    Permalink

    Olá, Dr. Flávio. Conheci seu site através do blog do Dr. Souto, que fala de alimentação low-carb. Li alguns dos seus textos e gostei muito. Gostaria de uma opinião sua sobre um antibiótico que uma dermatologista recomendou para minha filha adolescente. Ela tem 13 anos e está com acne; não é das mais graves, mas a deixa incomodada. O antibiótico chama-se Tetralysal 300mg. O que deixou-me insegura foi o fato de ela ter que tomar esse medicamento durante 60 dias. Consultei uma pediatra que disse não haver problema algum no uso, mas ela não passou-me segurança por ser recém formada e parecer inexperiente. Achei muito tempo para alguém tomar antibiótico. Qual sua opinião, por favor?

    Responder
  • 21 de junho de 2017 a 21:11
    Permalink

    Dr. Flávio que texto perfeito, passei por tudo isso com minha filha que hoje tem 05 anos. Iniciou na escola ano passado e sempre que vinha com um resfriado a pediatra entrava com antibiótico, pois a garganta ficava vermelha( foram doses e doses entre os meses de dezembro/2016 e abril/2017. Mudei de pediatra e um simples exame de imunidade resolveu a situação. Hoje ela está ótima e melhor sem antibióticos……são de médicos assim que precisamos……
    Grata pelo texto e esclarecimentos…..
    Um abraço!

    Responder
  • 3 de setembro de 2017 a 23:22
    Permalink

    Dr…meu filho de 4 anos está tendo otite direto. Toda vez o pediatra do PS da antibiótico. Lembro de minha infância q minha mãe cuidava de dor de ouvido com gotas de azeite morno. O q o senhor acha disso?
    Obrigada pela atenção

    Responder
  • 5 de setembro de 2017 a 23:41
    Permalink

    Boa noite De. Flávio tanto um bb de 5 meses com 1 mês ele pegou um resfriado derrepente começou com ronco sabe consumo dizer que é motor aqueles que vc coloca madioca e faz um barulho pra moer dessa maneira levei novamente no pediatra mim recomendou fazer um raio X fiz aí antes disso já tinha feita inalação com fliubron e tomou (Astro)só que aliviou mais não passou depois de 15 dias voltei novamente c mesmo problema aí passou Clemil A com sinto clav tomou isso tudo fora o antialergico, não sempre que ele ronco só de vês e quando levei em um otorrinolaringologista passou um exame para avaliar e tô indo pneumologista agora .como queria levar meu filho pra o senhor da uma olhadinha nele .amigo tudo que vc posto tudo muito bem informado

    Responder
  • Pingback: Estamos entrando na temida era pós-antibióticos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *