Repelentes: tudo o que você precisa saber

 

 

Um bom meio para se proteger de mosquitos causadores de doenças como Dengue e Zika são os repelentes. Mas é importante saber como e quando usá-los. Você sabe? Fique tranquilo pois neste post vou te explicar tudo a respeito.

Este assunto veio à tona junto com a enxurrada de informações e dúvidas sobre Zika, Dengue e afins.

Eu bem que me esforço para deixar de escrever sobre a Zika, mas como as dúvidas continuam – e provavelmente continuarão por um bom tempo – vou manter a regularidade de textos sobre o problema, no estrito sentido de ajudar à legião de amigos preocupados e duvidosos sobre o tema.

Fiquei até meio surpreso com a repercussão do último texto, pelo lado positivo, que me reafirma a necessidade que as pessoas em geral têm de informação clara, concisa, atualizada e confiável.

Tenho estudado muito sobre o tema, e isso não me causa nenhum tipo de incômodo, afinal, o faço por puro prazer.

Enfim, papo reto para você ser um expert em repelentes!

1 – O que são repelentes?

São produtos, naturais ou sintéticos, utilizados para evitar o contato de insetos ou carrapatos e suas picadas na pele.

2 – Quais são os repelentes mais utilizados e estudados no mundo?

Temos os repelentes tópicos e os repelentes físicos ou ambientais. As cinco substâncias para uso tópico mais citadas nos estudos são: o DEET, a Icaridina ou Picaridina, o IR3535, o óleo de eucalipto e o de citronela.

Os repelentes físicos ou ambientais são quaisquer produtos de vestuário ou proteção, tratados quimicamente com repelentes, inseticidas ou simples barreiras físicas como os cortinados e as telas para janelas.

Mais informações, em inglês, aqui.

3 – Qual o tempo de ação médios dos repelentes tópicos?

O tempo e ação dos repelentes tópicos dependem de vários fatores, como a concentração, o tipo de veículo (spray, loção, gel), o inseto a ser repelido e as condições ambientais e da pele.

Em geral, os repelentes com DEET e Icaridina a 20% conferem uma proteção de 6 até 10 horas.

4 – São eficazes para quais tipos de insetos?

R – São eficazes contra os Aedes (Dengue, Zika, Chikungunya, O’nyong-nyong, etc), os Anopheles (Malária) e os Culex (Filariose).

5 – São seguros para o uso em crianças?

Um estudo de 2009 analisou os repelentes disponíveis no mercado, apenas retificando que em crianças, na situação atual, não há restrições em toda a literatura citada para aplicação do DEET (OFF, Repelex), Icaridina (Exposis) e IR3535 (Repelente Johnson’s) em bebês maiores de 2 meses de idade.

Para os bebês menores de 2 meses, a proteção será pelos meios físicos. Mas isso deve ser conversado e avaliado com seu pediatra ou obstetra!

6 – Quais os cuidados para o uso em crianças?

Não permita que crianças manuseiem o produto e não aplique diretamente em suas mãos. Primeiro nas mãos do pai/mãe e, em seguida, sobre a criança.

Depois de voltar para dentro de casa, lavar a pele e roupas do seu filho com água e sabão ou dê banho. De acordo com a etiqueta, óleo de eucalipto não deve ser utilizado em crianças com menos de três anos de idade.

Veja aqui algumas dicas de como escolher o repelente para seu filho.

7 – São seguros para o uso em gestantes?

Na literatura não há restrição para o uso de DEET e Icaridina para gestantes, nas mesmas concentrações utilizadas para adultos.

8 – Devo utilizá-lo continuamente?

Por prudência, todas as vezes que for sair para o ambiente externo deve-se usar repelentes. Caso precise usar filtro solar, primeiro aplique o filtro e 30 minutos depois aplique o repelente por cima.

9 – Quais os cuidados para aplicação?

Siga as instruções do rótulo para garantir a utilização adequada:
– Aplicar repelentes apenas para pele e/ou roupas expostas. Não usar sob a roupa.

– Não aplicar perto dos olhos e da boca e aplicar com moderação ao redor das orelhas.

– Ao utilizar sprays , não aplicar diretamente no rosto: aplique nas mãos primeiro e depois no rosto.

– Nunca use repelentes sobre cortes, feridas ou pele irritada.

– Não pulverizar em áreas fechadas.

– Evite respirar um produto spray.

– Não o utilize perto de alimentos.

– Depois de voltar para dentro de casa, lavar a pele e roupas com água e sabão.

– Não utilize qualquer produto em animais de estimação ou outros animais a menos que o rótulo claramente afirmar que são seguros para animais.

– A maioria dos repelentes de insetos não funcionam contra piolhos ou pulgas.

– Armazenar repelentes de insetos com segurança fora do alcance das crianças.

Mais info, neste link da US Environmental Protection Agency.

9- E além dos repelentes tópicos, quais outros meios de proteção?

Existem os meios físicos, como roupas mais compridas, cortinados, telas tratadas com inseticidas e roupas tratadas com repelentes (não disponíveis no Brasil, apenas no exterior). São meios complementares, que devem ser utilizados. Alguns repelentes já têm formulação para aplicação em roupas (Exposis), e podem ser usados conforme instruções do fabricante.

Importante: gestantes e crianças pequenas não devem utilizar inseticidas ambientais, incluindo os de tomada, pela imprevisibilidade de seu efeito quando inalados. Já existem evidências suficientes na literatura para refutar a eficácia de vitaminas do complexo B, alho e outros salamaleques, simpatias e pajelanças no combate aos insetos.

Evite o mosquito e sua picadaO problema exige atenção e cuidados por parte de todos nós, mas lembrem-se: não precisaríamos estar tão preocupados e lamentando as famílias vítimas do problema, se estivéssemos tendo sucesso no combate ao mosquito.

Veja aqui dicas do Sociedade Pediátrica do Canadá para evitar as picadas de mosquitos (em inglês).

E isso também depende de todos nós!

Compartilhem à vontade!!! Viralizem mesmo!!!

Se tiverem dúvidas mandem nos comentários, que respondo.

 


Receba seu ebook grátis

Receba grátis ebook do pediatra dr Flávio Melo com 27 textos sobre os temas mais atuais, como H1N1, Zika, Imunidade e alimentação. São 160 páginas de conhecimento sobre como cuidar bem de seus pequenos. Basta deixar seu e-mail e clicar em "Eu quero"

Dr Flávio Melo - pediatra

Sou médico pediatra há 11 anos, formado em Medicina pela Universidade Federal da Paraíba e Pediatria no Instituto de Medicina Integral Fernando Figueira (IMIP/Recife-PE). Enxergo que o futuro da prevenção na criança, passa por uma atuação nos hábitos familiares e estilo de vida, desde antes do casal engravidar.

2 comentários em “Repelentes: tudo o que você precisa saber

  • 6 de janeiro de 2017 a 14:49
    Permalink

    Olá Dr Flávio, tenho bebê de 3 meses e gostaria de saber se posso usar nele o repelente Johnson à noite, para dormir, esporadicamente, quando saímos de casa e não tem barreira física. Vesti ele com roupas compridas mas ele ganhou picadas no rosto, na cabeça e nas mãos…

    Responder
    • 7 de janeiro de 2017 a 09:57
      Permalink

      No Brasil, a ANVISA não liberou repelentes para menores de 6 meses. Como está no texto, acima de 2 meses, no Canadá e EUA as autoridades liberam os 3, DEET, Icaridina e IR3535 (esse que vc perguntou). É usar o bom senso.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *