Socorro! Tivemos um bebê e viramos zumbis! Parte 4

 

 

Demorei um pouquinho a continuar a série, por conta de todas as atividades relacionadas ao lançamento do blog. Mas te garanto que valerá a pena a espera: vou te ensinar um treinamento para que seu filho durma melhor. Leia e faça seus comentários!

Nos posts anteriores, você entendeu as bases do sono do bebêcomo tentar começar a implementar uma rotina e as bases de um treinamento.

Talvez nem tudo tenha saído perfeito, certo?

Mas eu sei que mesmo com tudo feito direitinho, conforme o figurino, tem bebês acima de quatro meses que literalmente, se recusam a obedecer!

Na verdade, sendo bem sincero, os primeiros anos de vida são uma torrente fisiológica no nosso organismo e cada menino(a), em cada ambiente, em cada estilo de criação e de vida, pode reagir de uma forma.

Até que a criança complete em torno de 4-5 anos de idade, dificilmente você terá um reloginho de sono em casa. Mas algumas dicas, amor e paciência podem ajudar a vocês que, depois de uma noite de trabalho, trânsito e agitação, pedem de joelhos que o menino durma.

Mas quanto uma criança entre 4 meses e 2 anos dorme, em média?

Segundo o mais recente estudo, da National Sleep Foundation, de 2015, nos gráficos abaixo você vê o quanto dormem, em média, recém-nascidos, bebês de 4 a 11 meses de idade, lactentes de 1 a 2 anos e pré-escolares de 3 a 5 anos:

Gráficos de horas de sono de acordo com a idade da criança

Percebam que o gráfico mostra exatamente o que expliquei acima: existem bebês que dormem pouco e bebês bastante dorminhocos. Então, a depender dos fatores individuais, e do que explicarei logo após, vocês podem entender o que está acontecendo nas noites insones da sua casa e se tiveram a sorte de ter um ursinho em casa ou um tetéu, a ave que nunca dorme…

O que pode atrapalhar o sono nessa idade

Outra questão importante, é listar algumas situações momentâneas, que podem atrapalhar o sono na infância:

– Surtos de crescimento:

O crescimento não é constante, ele ocorre em surtos e platôs. O surto é quando o menino come tudo, vai ficando gordinho, a vovó feliz e vocês também.

O platô é quando a avó surta, diz que o menino vai morrer de inanição e compra escondida todas as vitaminas da farmácia e se você descuidar, dá um vidro inteiro ao menino, até você descobrir, quando ele golfar um líquido azul, com cheiro de tutti-fruti…

– Saltos de desenvolvimento:

Os bebês adquirem muitas habilidades nos primeiros 3 anos de vida, como segurar a cabeça, sentar, engatinhar, andar. Cada vez que ele adquire uma habilidade nova, fica empolgado para repeti-la incessantemente, igual quando você compra um celular novo. Aí o sono vai embora…

– Intolerâncias/alergias alimentares

Durante a introdução da alimentação complementar, seu bebê pode “estranhar” alguns alimentos, também pode desenvolver alergia à algum deles e isso causar acúmulo de gases, dor abdominal, enfim, a barriga enlouquece e o sono também. Isso precisa da ajuda do pediatra.

– Dentição

Esse assunto merecerá um post logo logo, mas para ser sucinto, nos dias que antecedem e precedem a ruptura dentária, pode ocorrer uma alteração no comportamento e padrão do sono.

– Infecções respiratórias

Rapidinho, tossiu, entupiu o nariz, o sono pode complicar. Levantar a cabeceira da cama e lavar o nariz com soro fisiológico são medidas primordiais.

– Mudanças de rotina

Queria que alguém me explicasse porque tem gente que leva o recém-nascido pro shopping ou pagode de sábado à tarde e depois quer que o menino durma à noite…

– Ansiedade de separação

Em torno de 9 meses, seu bebê trará de volta a lembrança de quando os pais se conheceram e eram namoradinhos que não conseguiam desgrudar 24 horas. Ele vira um grude, procura vocês em todo canto e se desespera ao não ver a mãe ou o pai no ambiente. Isso mexe muito no sono, principalmente em relação aos despertares noturnos.

A hora da verdade: o treinamento

Por coincidência, os treinamentos que vou explicar aqui foram objeto de estudo essa semana na revista Pediatrics, a de maior impacto na área da pediatria na literatura, foi publicado um estudo randomizado e controlado (boa qualidade de evidência) de um grupo Australiano, com 43 bebês, entre 6 meses e 16 meses de idade e suas mães.

Cada grupo recebeu um tipo de intervenção (abordagem) e outro (grupo controle) recebeu apenas orientações básicas sobre sono. Foi medido o nível de cortisol – o chamado hormônio do estresse no bebê – o humor e nível de estresse das mães. Também foram verificados problemas comportamentais e emocionais nos bebês além do nível de interação pais-filhos após 1 ano da intervenção.

As intervenções foram: extinção gradual (“cry it out”) e bedtime fading, que são os métodos (treinamentos) que vou detalhar abaixo. É importante você saber que estes treinamentos apenas são válidos para bebês maiores de 4 meses. Para bebês menores, usar a rotina que descrevi na parte 3.

Deixar chorarA extinção gradual é uma forma mais atenuada da famosa extinção ou método “cry it out” (em português: deixe chorar) tão criticado por deixar o bebê chorando até dormir, sem intervenção dos pais.

No caso do estudo, foi proposta uma variação mais leve do método. Após o aconselhamento sobre rotina e ambiente para o sono, inicia-se um treinamento com hora pré determinada para levar a cama, ainda acordado.

À medida que a criança/bebê chora ou resiste, acrescenta-se um tempo gradualmente maior para responder com sua presença no ambiente, evitando-se ao máximo pegá-lo no colo.

Esta abordagem sempre foi muito criticada, por possivelmente ser indutor de estresse à longo prazo na criança e piorar o vínculo com os pais, podendo resultar em indivíduos ansiosos e inseguros.

A tabela abaixo mostra como funciona este método. Na 1a coluna temos o dia e nas colunas subsequentes o tempo entre o bebê começar a chorar e os pais darem algum tipo de atenção.

Graduated Extinction

Um livro bastante conhecido e também criticado, o Nana Nenê do pediatra espanhol Eduard Estivill, tem um tempo de espera mais reduzido, como abaixo:

tabela-nana-nene

O método é eficaz? Pelos resultados do estudo, sim.

Causa excesso de cortisol/estresse ao bebê? Não (veja aqui todos os resultados).

É o método ideal? Depende de cada família, modo de enxergar o processo de formação de vínculo, se está em aleitamento exclusivo, cama compartilhada.

Ou seja, precisa ser discutido entre pediatra e família. O estudo, mesmo com um número de participantes pequeno, mas com desenho estatístico melhor do que os anteriores na literatura, aponta que não seria tão prejudicial quanto se imaginava.

A segunda intervenção, chamada de Bedtime Fading, termo de difícil tradução para o português, seria mais ou menos “esvanecimento do tempo de ir à cama”. 

Ao invés de explicar a teoria, vou usar um cenário prático:

bedtime-fadingJoãozinho, 1 ano de idade, fica muito ativo quando chego em casa às 20 horas e só dorme às 22 horas e acorda muito tarde. Quero que ele acorde às 8:00 e durma mais cedo. 

O objetivo é colocar o bebê para dormir em um horário que ele consiga adormecer em menos de 15 minutos. O que poderia ser feito?

Marcar o início do treinamento com um horário 30 minutos mais tarde do que a hora habitual de ir para a cama (se ele vai para a cama às 22 horas, o início seria às 22:30h). Não deixar dormir antes desse horário e nem depois.

Iniciar rotina do sono (poucas luzes, banho, historinha, música, alimentar, desligar a luz, carinho e colocar na cama), 20-30 minutos antes.

Se a criança conseguir adormecer em até 15 minutos após colocar na cama por duas noites seguidas, iniciar todos os procedimentos 15 minutos antes na terceira noite.

Se não, atrasa o horário de início em 15 minutos no próximo dia (em nosso exemplo, começaria às 22:45), até conseguir voltar para um horário mais cedo.

Importante: sempre acordar no mesmo horário e permitir duas sonecas diurnas não maiores que 90 minutos, mesmo nos bebês entre 4 meses e 1 ano de idade.

Quanto mais próximo dos 2 anos de idade, menor tempo de soneca diurna: em torno de 60 minutos, no máximo, ou seja, soneca com duração determinada. Após regular o sono noturno, você pode até permitir uma soneca mais longa.

Após 15 dias do treino, Joãozinho conseguiu ir para a cama às 21 horas e acordar às 8 horas (sei que é um sonho, mas sonhos se realizam!).

Caso ele acorde no meio da noite, lembre-se da escadinha do terceiro post e não se esqueça de acordar sempre no mesmo horário estabelecido.

Ainda tem mais…no próximo post!

No próximo e último post, vou escrever sobre três pontos essenciais: quando o sono é realmente um problema, dicas de livros legais/referências científicas e por último a dica exclusiva sobre a comida “mágica” para o bebê dormir (essa você só vai ler aqui).

Dúvidas nos comentários. Compartilhem à vontade!


Receba seu ebook grátis

Receba grátis ebook do pediatra dr Flávio Melo com 27 textos sobre os temas mais atuais, como H1N1, Zika, Imunidade e alimentação. São 160 páginas de conhecimento sobre como cuidar bem de seus pequenos. Basta deixar seu e-mail e clicar em "Eu quero"

Dr Flávio Melo - pediatra

Sou médico pediatra há 11 anos, formado em Medicina pela Universidade Federal da Paraíba e Pediatria no Instituto de Medicina Integral Fernando Figueira (IMIP/Recife-PE). Enxergo que o futuro da prevenção na criança, passa por uma atuação nos hábitos familiares e estilo de vida, desde antes do casal engravidar.

15 comentários em “Socorro! Tivemos um bebê e viramos zumbis! Parte 4

  • 2 de junho de 2016 a 03:10
    Permalink

    Amo ler cada texto, tem me ajudado muito com a minha bebê de 1 e. 4 meses que não dorme nada!!

    Responder
  • 2 de junho de 2016 a 12:13
    Permalink

    Olá, meu BB tem nove meses e nunca mais nunca mesmo, dormiu uma noite inteira. Eu ja tentei diversas formas, a pediatra dele me fala que é normal
    Mas a questão é que é o meu marido realmente viramos zumbis rsrs
    Ele chora a cada 1:30/2:00 sem abrir os olhos, ele não desperta totalmente, mais chora muito, enquanto ele não senti que tem alguém por perto ele não para de chorar. Ele se revira todo, fica muito inquieto, agoniado. Eu realmente não sei mais o que fazer. Preciso muitooo de ajuda. Por favor… Socorooooo

    Responder
    • 2 de junho de 2016 a 12:50
      Permalink

      Vc precisa começar do zero todo o processo de rotina, ambiente, etc, para daí pensar em treinamento. Nas 4 postagens tem o passo a passo. Se isso não der certo, aí tem que ver com o pediatra avaliação de exames, crescimento, alimentação, etc.

      Responder
  • 8 de junho de 2016 a 17:33
    Permalink

    Olá! Meu bebê dorme bem, tem 10 meses, mas sempre acorda de madrugada para mamar. Gostaria de sua opinião e sugestão de técnica para desmame noturno. Obrigada por compartilhar seus conhecimentos!

    Responder
  • 11 de junho de 2016 a 17:42
    Permalink

    Meu bebê tem 83 dias. Com 15 duas parei de abordá-lo na madrugada para mamar e ele dormia por 5 a 6h seguidas. Com 1,5 meses já dormia por 8 ou 9h seguidas. Com 70 dias mais ou menos começou a acordar de madrugada. Primeiro 2x/noite e agora dorme por 2,5h e depois aborda a cada hora. Não é fome, nem fralda, nem dor, nem calor nem frio. Ele tem rotina estruturada no método easy da tracy Hogg desde que chegou da maternidade. Após alguns dias acordando 2x consegui retornar o sono por 2 dias e depois desandou de novo. Iniciou pq estava com arroto preso mas corrigimos isso e nada. Alguma dica?

    Responder
    • 11 de junho de 2016 a 23:05
      Permalink

      Ele pode estar passando nessa idade por um salto de desenvolvimento ou surto de crescimento e ambos atrapalham bastante o sono. Reveja a questão do ambiente, da naninha ou objeto de referência e faça um atendimento gradativo nos despertares noturnos (tática da escada).

      Responder
  • 20 de junho de 2016 a 15:31
    Permalink

    Olá, meu bebê tem 7 meses e sempre teve muitos problemas com o sono. Até os 3 meses teve muita cólica, e quando dormia de dia, o sono tinha duração máxima de 30/40 minutos. Após a IA o sono diurno melhorou, mas o noturno não. Já iniciamos o jantar pra ver se é fome, mas atualmente ele tem acordado a cada 1h30/2h. Não conseguimos acalmá-lo com shhh, chupeta, embalo etc (ele chora muito alto e bem histérico), só aceitando mamar para voltar a dormir.

    Alguma dica ou orientação milagrosa? Obrigada

    Responder
    • 20 de junho de 2016 a 21:57
      Permalink

      Vc sabe que não tem milagre. É preciso verificar se a rotina, inclusive nos despertares, tem sido consistente. E uma “naninha”/objeto de transição pode ajudar. Dos livros que indiquei no post 5, o soluções para noites sem choro parece muito adequado para você, inicialmente. Se não der certo, aí teria que tentar uma modalidade de treinamento.

      Responder
  • 26 de julho de 2016 a 21:26
    Permalink

    Dr meu filho tem 1ano e 3 meses acorda de tres em tres horas pra mamar, e detalher mama mamadeira de 200ml. Depois q mama meu marido tem q sacudir ele senão ele perde o sono e nao dorme mais.

    Responder
  • 4 de setembro de 2016 a 11:29
    Permalink

    Nem eu nem minha esposa temos coragem de fazer esse método cry it out. Meu bebê tem 8 meses e só dorme no peito. Costuma acordar 2x por noite, mas as vezes acorda mais do que isso. Minha esposa volta a trabalhar em breve e prevejo dificuldades

    Responder

Deixe uma resposta para Jose Soares Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *