Vacina na gravidez, Zika e Microcefalia

Tradução do Site Medscape, sobre estudo publicado no periódico JAMA, no dia 01 de Novembro, reafirmando a segurança da vacina Tdap na gravidez, especialmente no que concerne ao risco de Microcefalia e defeitos congênitos, em épocas de epidemia por Zika vírus.

Uma nova análise apóia as recomendações atuais para a administração rotineira de vacina contra o tétano, a difteria e a coqueluche acelular (Tdap) durante a gravidez e expande o que se sabe atualmente sobre a segurança da vacina em mulheres grávidas.

A vacina foi questionada como possível causadora de microcefalia

Ao explicar a motivação para o estudo, observou-se que no Brasil, durante 2015, os casos de microcefalia aumentaram substancialmente, provavelmente devido a infecções maternas do vírus Zika. No entanto, esses casos se sobrepuseram com o início, em novembro de 2014, do programa Tdap materno brasileiro. Pequenos estudos observacionais anteriores não relataram riscos aumentados de defeitos de nascimento após a vacinação Tdap materna, mas nenhum se concentrou na microcefalia.

Isso levou Dr. Malini DeSilva do Instituto HealthPartners em Minneapolis, Minnesota, e colegas para examinar associações entre a vacinação Tdap materna durante a gravidez e defeitos congênitos estruturais, incluindo microcefalia, na prole.

Usando dados de sete sites Vaccine Safety Datalink nos EUA, eles identificaram mais de 324 mil nados vivos simples entre 2007 e 2013, incluindo 282,809 (87%) bebês que foram expostos a Tdap e 41,654 bebês expostos (13%). (Em 2012, autoridades federais de saúde dos EUA começaram a recomendar a administração da vacina Tdap durante cada gravidez, idealmente entre 27 e 36 semanas de gestação).

Os lactentes com outras exposições que aumentam o risco de defeitos congênitos foram excluídos da análise.

De acordo com o relatório, publicado no JAMA 01 de novembro, os pesquisadores não encontraram associação significativa entre a recepção da vacina Tdap durante a gravidez eo risco de microcefalia. Isto ocorreu com as vacinações ocorridas em menos de 14 semanas de gestação (taxa de prevalência ajustada, 0,96), entre 27 e 36 semanas de gestação (APR, 1,01) ou durante qualquer semana de gravidez (APR, 0,86).

“As análises ajustadas foram semelhantes para qualquer defeito estrutural e defeitos estruturais selecionados”, observam.

vacina-dengue-625x332

Segurança da vacina reafirmada

Esses resultados se somam sobre o que se sabe sobre a segurança da vacinação Tdap materna para incluir informações sobre defeitos congênitos estruturais e microcefalia na prole, dizem eles.

“A vacinação Tdap”, disse a Dra. DeSilva à Reuters Health, “é recomendável que seja recebida durante cada gravidez e é importante monitorar a segurança da vacina durante a gravidez, incluindo seu impacto sobre defeitos congênitos.Com o aumento dos casos nos Estados Unidos da infecção Zika , Que pode causar microcefalia, é importante ter evidências de que a vacina Tdap não causa microcefalia porque ocorrência coincidente de microcefalia pode ser observada após a vacinação Tdap “.

Neste estudo retrospectivo de mais de 324 mil nascidos vivos em sete locais de Datalink de Segurança de Vacinas entre 2007 e 2013, “a vacina Tdap em mães grávidas não foi associada com risco aumentado de microcefalia ou outros defeitos congênitos importantes em sua prole”, disse o Dr. DeSilva por email.

Os pesquisadores observam que, em seu artigo, os achados são “potencialmente limitados por dados incompletos sobre as vacinas Tdap (tornando possível classificar erroneamente o status de vacinação das mulheres), diagnósticos defeitos congênitos estruturais e covariáveis importantes (incluindo o uso de álcool materno) Para estudar defeitos congênitos resultando em perda de gravidez ou término eletivo. ”

Apesar dessas limitações, eles dizem que as descobertas “apoiam recomendações para a administração rotineira de Tdap durante a gravidez”.

http://jamanetwork.com/journals/jama/article-abstract/2576582

 


Receba seu ebook grátis

Receba grátis ebook do pediatra dr Flávio Melo com 27 textos sobre os temas mais atuais, como H1N1, Zika, Imunidade e alimentação. São 160 páginas de conhecimento sobre como cuidar bem de seus pequenos. Basta deixar seu e-mail e clicar em "Eu quero"

Dr Flávio Melo - pediatra

Sou médico pediatra há 11 anos, formado em Medicina pela Universidade Federal da Paraíba e Pediatria no Instituto de Medicina Integral Fernando Figueira (IMIP/Recife-PE). Enxergo que o futuro da prevenção na criança, passa por uma atuação nos hábitos familiares e estilo de vida, desde antes do casal engravidar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *